[ editar artigo]

Não basta torcer, aplique!

Não basta torcer, aplique!

 

Privatizaram o estádio

e o time do coração!

Quanto vale a emoção?

Um tostão, um milhão,

uma anônima ação,

quiçá uma S.A.?

 

Torcedores atônitos

vibram com as ações

de seus times nos pregões,

torcem por gols de bônus,

dividendos dos pênaltis

e escanteios como ônus.

 

Seus atletas são operadores,

chutando em suas mesas

operações sem emoções,

onde torcedores são as presas

de anônimas sociedades,

onde ter lucro é goleada.

 

É fundamental ver o torcedor

cantando jingle do patrocinador,

agitando a logomarca do time,

sentindo-se parte da corporação

que explora sua paixão.

Não basta torcer, aplique!

 

Inspirado no texto da colunista do UOL  Milly Lacombe, publicado em 27/12/2021. Questionando a criação das SAF (Sociedades Anônimas de Futebol) que supostamente tornariam os clubes economicamente viáveis, mas, de fato apenas “privatizariam” os times.

Literatura

EternizArte
Helio Valim
Helio Valim Seguir

Alguém interessado em usar a poesia como uma crônica poética do cotidiano, com realismo e imaginação. Com mais de 30 anos no magistério superior tendo lecionado em Instituições de Ensino no Rio de Janeiro. Mestre em Engenharia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você