[ editar artigo]

Menina na Varanda

Menina na Varanda

Oi como ela senta, oi.Toda arrumada, seria.  Cruza as pernas. Admira as unhas pintadas. O cabelo arrumado .Parece uma mocinha. 

Fica atenta a tudo que acontece na rua. Quem  vai. Quem vem. Quem fica rsss.  
E assim de tudo e de todos  ela sabe um pouquinho. 

E não esquece a boneca . Isso nunca. Trata a pequena como se fosse uma filha de verdade. 

Tô falando de Maju, claro, a minha netinha. 

Quase todo dia a tarde ela senta na varanda da casa. Num banquinho que e só dela. 

Não pode brincar na rua. A mãe não deixa. Diz que  é  perigoso. E é verdade.

No meu tempo era tudo mais a vontade . A gente brincava de bola, picula,  corria pela rua, empinava arraia, gude ... até de cantiga de roda se brincava rsss. 

Mas o tempo hoje são outros. Muita coisa mudou. Não se pode mais brincar na rua como era antes. Ainda mais na pandemia. 

Maju entende. E atende a mãe. Sabe que é para o bem dela. 

Não demora muito e tudo isso passa. Volta a ser como era antes. Tenho fé em Deus.

Literatura

EternizArte
Raimundo Moura
Raimundo Moura Seguir

(DRT 9922/BA) ator, dramaturgo, produtor. Pós – graduado em Arte Educação, Professor de Teatro(UFBA)

Ler conteúdo completo
Indicados para você