[ editar artigo]

Gângster da noite e diurno

Gângster da noite e diurno

Estouro na madrugada

Enchendo o olho (gordo)
Com o ar que me move
Querendo fazer flutuar obstáculos
E proteger a minha família

Tenho orgulho por ser um bandido
Não banido dos padrões sociais
Vivendo na balança
Procurando um equilíbrio
Porque estar equilibrado é bom!

Equilíbrio do quê!?
Do estresse,
Do julgamento,
Do ódio nas notícias,
Das injustiças,
Da fome e sede
Que sucede à loucura
De uma vibe depressiva,
Do sofrimento geral
Que é um tormento total.

O gângster só sobrevive;
Se viver é porque deixou de ser bandido!
Todo meu povo é gangster!
Gângster diurno ou da noite
Porque desde 75 que estamos sobrevivendo
O meu povo só trabalha
Para conseguir comer hoje!
Isso é ser sobrevivente.

A má influência existe!
Porém o que é mau é muito atrativo;
É ainda mais atrativo quando
Nos é incutido que é a única solução,
Para distorcer a ideia de que escolhas são feitas.

Sou um Gângster da noite
Porque atrofio mentes tortas
Para ajudá-las a_amadurecer
Tramancando a estupidez.

Sou um bandido porque
Mesmo não tendo nada
Eu estou a conseguir dar certo
Superando os meus obstáculos.

Não sou um criminoso!
Sou um bandido.


#EdgarLuluca #bandapoetica
2021. Morro da Luz
📷 Rosa Bernard

Literatura

EternizArte
Edgar Luluca
Edgar Luluca Seguir

Não sou um escritor normal.

Ler conteúdo completo
Indicados para você