[ editar artigo]

Encarceradas

Presas em mim,

No mais íntimos do meu ser

Vivem outras, eu,

Que só eu conheço. 

 

Que gritam sem ser escutadas,

Gemendo no silêncio, 

Que as silencias. 

 

Sufocadas em mim 

Morrem todos os dias,

Eu, também morro junto à elas.

 

Resistindo está à embalagem  

Que sucumbe os conteúdos,

Palavras que não foram ditas 

Garganta que emperou com o tempo. 

 

Encarceradas!

Eu, elas e nós 

Silenciadas, vivem dentro de mim.

 

#Poesia#Concurso#PoiesisEternizArte

 

Concurso Poiésis EternizArte

EternizArte
Cristina Sales.
Cristina Sales. Seguir

Poetisa, cordelista já participou de varias antologias poéticas é membro imortal das academias: Academia Independente de Letras (AIL), membro fundadora da Academia Internacional Mulheres das Letras AIML) e Comendadora arte literária brasileira.

Ler conteúdo completo
Indicados para você