[ editar artigo]

No compasso maternal

No compasso maternal

 

Com suave movimento pendular

embala, em seu colo, sua cria,

juntando-se ao universo em harmonia,

acalenta sua criança ao cantar.

 

Nesse maternal aconchego,

não há mal capaz

de interromper tal sossego

em relação tão fugaz

 

O mundo se move, o universo também.

Enquanto a jovem mãe a cadência mantém.

Ao largo, comtemplo a maternidade

incorporando, em si, a imortalidade.

 

Liberto de demência datada

vivencio lembrança pueril,

enquanto alguma sanidade pairava

debaixo daquele céu anil.

TAGS

Poesia

EternizArte
Helio Valim
Helio Valim Seguir

Alguém interessado em usar a poesia como uma crônica poética do cotidiano, com realismo e imaginação. Com mais de 30 anos no magistério superior tendo lecionado em Instituições de Ensino no Rio de Janeiro. Mestre em Engenharia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você