[ editar artigo]

O BARCO

O BARCO

O barco

 

Quando abri a janela, senti o ar frio,

envolveu minha alma, chamejando,

incendiou meu coração,

deixou meu espírito

delirando.

 

Olhei ao longe e vi o mar,

as ondas vindo como sonhei,

batendo nas pedras sob o luar,

tocando a areia por onde passei.

 

Um barco embriagado dançava na noite,

entre recifes e corais bailava sem rumo,

ziguezagueando, açoitado pelas ondas,

sem velas, sem cais, sem prumo.

 

Fechei os olhos e imaginei seu destino.

Quantos lugares visitou? Para onde iria?

Talvez fosse apenas um devaneio de menino.

Quem era seu capitão?

Quando enfim voltaria?

 

Quando abri os olhos entristeci.

Vi que meu barco não estava mais ali!

 

Desapareceu no meio da noite branca.

Levou meus sonhos, alma e inocência.

A infância, o coração e a esperança.

Deixou apenas a visão do mar,

a única que ainda me encanta.

 

#Poesia #Concurso #Eternizarte

Ler conteúdo completo
Indicados para você