[ editar artigo]

Identidade

Quem sou eu? 

Nessa chuva tão gostosa

Quem sou eu?

Nessa madrugada tão glamourosa

 

Acho que me perdi

Entre garrafas baratas

E companhias tão rasas

Junto ao cinzeiro cheio de brasas

 

Embriagado aqui estou

Contemplando o que restou

De noites tão vividas

Que a memória aflorou

 

Ó juventude

Flor da idade, ela diria

Jamais imaginaria

Que sua chama apagaria

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EternizArte
Ler conteúdo completo
Indicados para você