[ editar artigo]

DENTRO DO AQUÁRIO


Era sábado.  Levantou cedo, pois tinha que levar seus filhos ao colégio. Eles  tinham uma apresentação a fazer. Uma feira, alguma coisa assim.
Sentiu-se cansada com esse compromisso tão fora de hora. “Por que inventaram isso?”
Fez tudo que tinha que fazer correndo. Tinha que sair logo. As crianças agitadas, procurando coisas de última hora. Tudo de repente desapareceu: tênis, camisa  mochila - : “ai, meu Deus! me parece um massacre a vista!” Saem correndo. Na escola, ela procura um lugar para sentar. Não quer ficar desfilando vendo barracas as quais não interessavam. Nada ali não lhe interessa.
Tudo tão cansativo: aquela gritaria, aquela correria, aquele som alto, mães falando sem parar sobre seus filhos.
Tudo cansativo demais.
Termina a feira. Seu filho vem carregando um peixe pequenino dentro de uma sacola que ganhou em uma barraca:  “ céus! mas essa agora! O que eu vou fazer com esse peixe?! mas um para eu cuidar!” - mas ele estava tão feliz que ela não teve outro jeito de levá-lo junto. Pararam para comprar um pequeno aquário, pois o peixe não viveria muito tempo dentro da sacola. Escolheram um aquário pequeno, pedras coloridas, enfeite, outros peixes. Montariam uma cidade para o peixinho e dariam a para ele outros companheiros para não se sentir só.
Em casa, seu marido instalou o aquário.
Ficou bonito, colorido, luminoso. Colocaram os peixes e logo depois um pouco de comida. Quando a comida caiu, eles nadaram afoitamente beliscando um pedacinho aqui outro ali. Pareciam felizes em sua casa nova. “Como alguém pode parecer feliz tendo tão pouco espaço para ir e tão pouca opção?”- ela pensa enquanto observa  junto da família, o nadar feliz dos peixinhos que sem saberem remexeram com o o seu íntimo tão fragilizado.
“Sinto-me como esses peixinhos: sem opção. Tenho uma casa, comida, lugar para me esconder, mas não opção. Não tenho para onde ir.
Ficarei eternamente girando, girando e indo para nenhum lugar!” - aquela certeza de que sua vida parecia com um aquário a fez sentir o estômago embrulhar. Um calor subiu pelo seu corpo, sentou-se. Precisava acalmar-se. Não gostou de saber que não tinha opção. Não gostou de se ver dentro de um aquário mas o seu aquário, é diferente. Ele não tem vidros que a prendem, o que a faz se sentir presa é ela mesma. A sua vida é demais para ela. Se sente sufocada , agitada, impaciente como Ser não fosse nada.
À noite, sem sono, fica observando os peixinhos que diferentes dela ficam parados cada um de um lado do aquário parados, dormindo. Eles dormem e ela fica ali sentada,  olhando, esperando que um faça um movimento para que a espante, a afaste dali.
Eles querem dormir não querem ser observados. A  hora do show já acabou. Amanhã, eles começarão a nadar de um lado para o outro fazendo cada um o seu papel e ela terá de fazer o dela: seja qual for!
 

TAGS

presa eu

EternizArte
Katia Limma
Katia Limma Seguir

Basicamente o meu caos não é organizado .... Tudo no mundo tem a sua forma de ser: organizado ou não, faz parte da vida. Tenho uma mente povoada por pensamentos soltos, desalinhados e, às vezes, perdidos...

Ler conteúdo completo
Indicados para você