[ editar artigo]

BAILADO DA ILUSÃO

BAILADO DA ILUSÃO

BAILADO DA ILUSÃO

A ferida abriu na minha boca com teu roubado doce beijo

Entardecia e você veio sorrateiramente

Em um pecado faminto invadiu meu ser

Em um ritual pecaminoso levou-me a loucura

Bailado louco de devaneios mil

Jamais o sol, a lua e nem as estrelas poderiam nos espionar

Tudo era secreto

De mãos dadas por caminhos floridos, jamais

Uma sede do querer proibido nos invadiu

Não era mais a sede da adolescência

Era a sede da insensatez

Eu desabrochei em amor

Você não! Somente voraz e carnívoro

Teus desejos carnais penetraram em mim

Eu mergulhei num oceano de paixão avassaladora

Tu não! A cobiça pela carne era teu intuito

Mergulhamos...

Um entorpecido bafo de amor

Outro apenas no desejo antropofágico

Dos teus beijos pura peçonha escorria

Anestesiavam-me e enchiam-me de prazer

Tu foste como um furacão que passou em mim

Deixou-me completamente destroçada

Hoje sou retalhos que precisam ser costurados

As marcas ficarão em mim para sempre

Como cicatrizes de profundas feridas fugazes.

 

 

 

 

EternizArte
PETRONILHA ALICE ALMEIDA  MEIRELLES
PETRONILHA ALICE ALMEIDA MEIRELLES Seguir

PROFESSORA MESTRE E LÍNGUA PORTUGUESA, LINGUISTA, PSICOPEDAGOGA, ESCRITORA DE LITERATURA INFANTIL E POETISA.

Ler conteúdo completo
Indicados para você