[ editar artigo]

ASSASSINATO

ASSASSINATO

ASSASSINATO

Olhos que partem para escuridão
Mas ainda te olhando desde dentro.
Parecem perseguir-te noite adentro
Em meio em tua insone confusão.

Na hora tinhas uma arma e uma razão,
Apontando para o alvo circuncentro.
Com efeito, atiraste bem no centro
Para causar a morte, certo ou não.

Mataste. Alguém morreu por teu impulso.
Dos caminhos do mundo fora expulso
Aquele que cruzou o teu caminho.

Ficaram, como a foto d'um retrato,
Olhos a te acusar de assassinato
Quando d'olhos fechados e sozinho.

Betim - 01 07 2020

EternizArte
Ricardo CUNHA
Ricardo CUNHA Seguir

Escrevo. Gosto de escrever. Se sou escritor ou poeta, eu deixo para o leitor ponderar. https://medium.com/@arqt.ricardoc

Ler conteúdo completo
Indicados para você