[ editar artigo]

A antagônica das horas

A antagônica das horas

Tempo antagonista de bravatas e literatas horas;
De calúnias e verdades não ditas em provocado espelho.


Caminhando sempre com comigo mesmo,atino o entremeio da razão e da delusão.

Ferido,subtraído...
um dito contra a remoída  compreensão;
um eu fingido,
de um forjado despercebido.

Em amência continência em seu ofertar;
doce candura...,ei de não a indagar,com coragem acunhada em parafraseo heroico desenhado.



Sempre em meu deitar,procuro a chaga desse pensar;
és meu fomentar.
Será,que amanhã...,algum dizer e pensar,em dementado pranto ?

A espero em meu recanto,em suas horas;

 

...ao meu revelar.

Ler conteúdo completo
Indicados para você